Depoimentos na Extensão

Durante toda a trajetória da FEF-UNICAMP, inúmeros/as estudantes de graduação e pós-graduação participaram das atividades de extensão, ação que vem contribuindo para a qualificação profissional, formação acadêmico-científica entre outros aspectos. Visando dar visibilidade à relevância dessas experiências, disponibilizamos à seguir alguns depoimentos. Caso, você tenha participado e queira enviar seu depoimento, faço-o via o e-mail da CODESP. 

* publicados em ordem cronológica de recebimento.

 

GILSON SANTOS RODRIGUES

Graduado, Mestre e Doutorando FEF-UNICAM. Professor na ICA - Mogi Mirin/SP.

Desde o meu segundo ano na Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp eu comecei a me envolver com as atividades de extensão universitária. Inicialmente como aluno da extensão em atividades esportivas (Futebol, Futsal e Judô), posteriormente como colaborador (Atividades percepto-motoras para crianças com meningomenicele, condicionamento físico, musculação, badminton e Atividades Circenses para crianças) e, finalmente, como monitor (Atividades percepto-motoras para crianças com meningomenicele e Atividades circenses para crianças). Neste último projeto extensionista, nas atividades circenses para crianças, atuei como monitor por 5 anos ininterruptos. Vale mencionar outras atividades importantes que eu participei e que estão vinculadas à extensão universitária como o Programa Farra nas Férias (DE MARCO, Ademir. Farra nas Férias na FEF: educação como recreação. Curitiba: CRV, 2017), o Unicamp de Portas Abertas (UPA), além de uma série de atividades como o oferecimento de oficinas para crianças da rede municipal de ensino de Campinas/SP e etc. Ao longo dessas experiências fui encorajado a pesquisar e escrever sobre as minhas experiências na extensão universitária e com orgulho consegui, junto com muitos amigos e colaboradores que também acreditam na extensão universitária, produzir alguns trabalhos que divulgam e valorizam a importância da extensão (deixo listado abaixo 9 trabalhos que ajudei a produzir sobre a extensão universitária). Diante dessa experiência, posso indicar o papel de extrema relevância dos projetos de extensão universitária para nós, professores de Educação Física. Resumidamente, a extensão é um espaço rico para a formação docente (ensino), na medida em que estudantes de graduação têm a oportunidade de atuar num espaço de intervenção vinculado às disciplinas universitárias e tendo os grupos de estudos, os professores universitários, as bibliotecas etc., como suporte para suas intervenções. Igualmente importante são as inovações pedagógicas e tecnológicas (pesquisa) engendradas no âmbito das extensões universitárias, pois elas se constituem num "laboratório" fértil para a produção de conhecimento e tecnologia que, como destaca reportagem do jornal da USP (https://jornal.usp.br/universidade/10-mitos-sobre-a-universidade-publica...) 90% da produção científica nacional é das universidades públicas tendo a USP, a UNESP e a UNICAMP no topo dessa lista. Por fim, igualmente importante é a ação comunitária na qual a comunidade local e regional adentra na Universidade (nesse caso específico, na FEF-Unicamp) para contribuir com a formação dos estudantes (ensino), com a produção do conhecimentos (pesquisa) e para desfrutar de um espaço seguro e confiável para exercer seus direitos sociais de acesso à educação, saúde e lazer. De resto, só tenho a declarar o meu apreço e admiração pela extensão universitária da FEF/Unicamp que ao longo de décadas vem sofrendo da falta de investimentos (aliás, a Universidade Pública brasileira, de modo geral, vem sofrendo desse desinvestimento) e sendo preterida por professores e estudantes da própria universidade. Em síntese, esse relato vem ressaltar a importância social das extensões universitárias.

_____________________________

KIZZY FERNANDES ANTUALPA

Graduada FEF. Docente da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Sou egressa da FEF, mas ainda mantenho minhas raízes neste lugar que tanto me ensinou. Fiz minha graduação e pós-graduação ali, e juntamente com o curso tive a oportunidade de participar dos projetos de extensão como monitora e como aluna. Como aluna da extensão estive em contato com diferentes práticas corporais, ministradas com excelente qualidade profissional, engajamento e segurança. Enquanto monitora, conheci pessoas, aprendi e ensinei. Foi incrível. No projeto com as crianças, ensinamos Ginástica Rítmica; e com jovens e adultos o aprendizado foi através do GGFEF. A extensão pra mim foi como um mergulho na atuação profissional, um espaço para aprender a ensinar, ter contato com as demandas sociais e organizacionais do ser “professor”. A extensão me permitiu criar, reinventar e aprender! Hoje, como docente de uma Universidade Federal carrego comigo todo esse aprendizado e busco repassá-los com todo o carinho e comprometimento que me foram ministrados. Gratidão à extensão por me permitir ser!

__________________

 

TERESA ONTAÑÓN BARRAGÁN

Mestra e doutora pela FEF-UNICAMP. Docente da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG).

Conheci a extensão universitária quando realizava um intercâmbio na FEF/Unicamp em 2008. Na época, a extensão na minha universidade na Espanha era praticamente inexistente e a possibilidade de que o conhecimento gerado pela universidade fosse disponibilizado á população me encantou desde o começo. Depois, em 2009, quando entrei na Pós-graduação na FEF, pude participar dos projetos de maneira mais ativa, especificamente no projeto de Atividades Circenses para crianças, no qual permaneci até terminar meu doutorado, em 2016. Nesse tempo, participei como colaboradora e como participante em numerosos eventos de extensão promovidos pela universidade como: UPAs, eventos artísticos, cursos, entre outros. Todos esses eventos me marcaram profundamente, entendi de maneira ampliada o importante papel que a universidade tem na sociedade, e a importância de aproximar a população o que se faz dentro dos muros universitários. Especificamente, o projeto de Atividades Circenses para crianças teve grandes contribuições na minha formação e na elaboração da minha pesquisa de mestrado e doutorado, me ajudando a compreender, junto às crianças que passaram pelo projeto, a Pedagogia das Atividades Circenses num espaço de prática, reflexão, estudo e pesquisa constantes. Dessa experiência surgiram diversos trabalhos, incluindo alguns artigos originais e vários resumos que foram publicados em anais de congressos (muitas disponíveis no site do Grupo CIRCUS).      

___________________

LUIS FERNANDO SPER CAVALLI

Especialização em Biomecânica e em Atividade Motora Adaptada, e Mestrado em Educação Física Adaptada na FEF-UNICAMP.

Durante o período em que cursei pós-graduações Lato e Stricto sensu na FEF/UNICAMP tive a oportunidade de compor o grupo de acadêmicos que contribuía com o projeto de Extensão em Atividade Motora Adaptada daquela faculdade. De 2007 a 2017 participei de diversas atividades capitaneadas pelos professores da área de EF Adaptada, especialmente pelos Professores Doutores Paulo Ferreira de Araújo, Edson Duarte, Júlio Gavião e José Gorla, relacionadas ao oferecimento de atividades e esportes a pessoas com deficiência, sendo que também pude colocar-me como beneficiário de boa parte dessas ações, já que possuo deficiência física (lesão medular - tetraplegia) e durante esses anos participei da equipe de Rugby em Cadeira de Rodas da ADEACAMP e por um curto período também fui praticante de Handebol em Cadeira de Rodas e de Esgrima em Cadeira de Rodas, todas essas modalidades iniciadas pelo mencionado projeto de Extensão. Há alguns anos sou professor da graduação da Escola de EF da Polícia Militar, na qual ministro a disciplina de EF Adaptada e trabalho no Comitê Paralímpico Brasileiro, na área de projetos. Tenho tranquila convicção de que a experiência conquistada por minha participação no projeto de Extensão contribuiu em muito para o conhecimento necessário para o exercício de minhas funções e me credenciou a assumir as colocações profissionais onde hoje estou inserido.

________________

 

DIEGO HENRIQUE GAMERO

Licenciado e mestre pela FEF/UNICAMP. Treinador Paralímpico.

Através dos Projetos de Extensão da FEF/UNICAMP consegui colocar em prática muitos ensinamentos adquiridos nas aulas e, principalmente, consegui aprender na prática o que somente a teoria não nos proporciona. Na Educação Física faz-se necessária a aproximação entre teoria e prática, pois uma depende da outra. Encontrei na área de Atividades e Esportes Adaptados a realização profissional, pois devido ao meu envolvimento e excelentes orientações de Professores (Gavião, Márcio Morato e Otávio Furtado) consagrados na área, recebi oportunidades inimagináveis. Primeiramente no Goalball com o Professor Márcio Morato (na época coordenador técnico do Goalball brasileiro), tive a oportunidade de vivenciar o planejamento e a organização que levou o Brasil tornar-se o atual Bicampeão mundial. Ainda no Goalball, o Professor Otávio Furtado, devido ao seu Programa de Doutorado, foi realizar parte dos seus estudos no Estados Unidos e me deu a responsabilidade de substituí-lo como Diretor de Goalball na Federação Paulista de Desportos para Cegos (de 2013 até o presente momento). Por fim, mas não menos importante, o Professor Gavião juntamente com o Professor Dr. Ciro Winckler, me proporcionaram a oportunidade de acompanhar a Seleção Brasileira de Atletismo Paralímpico em treinamentos e competições. Foi na Seleção Brasileira de Atletismo Paralímpico que tive as maiores e melhores oportunidades da minha vida profissional. Entre elas: Jogos Parapanamericanos de Guadalajara 2011, Toronto 2015 e Lima 2019; Campeonato Mundial em Doha no Qatar 2015; e em 2016 o ápice profissional foi a oportunidade de participar dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. Os Projetos de Extensão da FEF/UNICAMP foram de fundamental importância para minha formação profissional e pessoal, pois através deles conheci Professores sensacionais, excelentes pessoas e fiz muitos amigos.

________________

KÁSSIA MITALLY DA COSTA CARVALHO

Mestra e doutoranda pela FEF-UNICAMP. Docente da Universidade Federal do Ceará (UFCE)

A participação no projeto de extensão em Ginástica da FEF/Unicamp foi parte importante da minha formação. O Projeto oferece uma variedade de experiências no que diz respeito ao ensino-aprendizagem da Ginástica em diferentes faixas etárias, tendo como plano pedagógico uma metodologia teorizada e aplicada há mais de 20 anos. Participei das extensões desde nas turmas para crianças, desde os 3 a 5 anos, até as extensões para adultos. Tive ainda a oportunidade de participar do projeto Grupo Ginástico Unicamp (GGU). Atribuo a essa experiência, minha atuação e observação intensa do público praticante de ginástica, que contribuíram para que eu seja hoje uma professora ainda mais atenta aos meus alunos, no sentindo de compreender suas expectativas e experiências. Também tive a oportunidade de participar como aluna desse mesmo projeto, o que me oportunizou a vivência de diversas manifestações da cultura corporal de movimento em diálogo com a Ginástica, bem como diferentes tipos de Ginástica. Além das aulas práticas, são realizadas reuniões semanais para trocas de conhecimentos entre os professores/monitores de todas as extensões sob supervisão da coordenação geral do projeto, bem com a discussão de literatura especializada. O que, para mim, foi um rico espaço de formação e reflexão sobre a prática docente. Hoje atuo na área da Ginástica, como professora substituta do curso de Educação Física da Universidade Federal do Ceará, onde ingressei logo após a conclusão do mestrado na FEF-Unicamp. Nesse breve depoimento gostaria de expressar minha gratidão e reconhecimento da Extensão em Ginástica da FEF-Unicamp como parte fundamental da minha formação. Recomendo a todos os alunos que tiverem a oportunidade, que utilizem esse espaço, recursos e profissionais para complementarem suas formações, humana e docente.

________________

 

ISABELLA CLARA ELEONORA DE SORDI

Graduada FEF e treinadora no CCRN

Fui aluna de graduação e me formei em 2017, tive o privilégio de participar do projeto de extensão de Ginástica para Crianças durante três anos com a orientação da Professora Dra. Laurita Schiavon, e acredito que ter participado foi fundamental para minha formação profissional. Eram realizadas reuniões semanais com toda a equipe de monitores e professores, possibilitando a discussão de textos, planejamento de aula e toda a orientação necessária para que os projetos fossem bem executados, o que me proporcionou contato com linhas pedagógicas que utilizo até hoje. A experiência que adquiri com as aulas da extensão foram únicas e muito valiosas, pois tive a oportunidade de testar diferentes formas de ensino e pude me preparar adequadamente para o meu futuro como professora. Atualmente sou treinadora de Ginástica Artística no Clube Campineiro de Regatas e Natação (Campinas-SP) e vejo que o aprendizado que obtive na extensão de ginástica foi de grande importância para que eu pudesse desenvolver as ginastas de forma humana e com qualidade.

________________

DOUGLAS DA SILVA

Graduado pela FEF.  Professor da Gymnastikhøjskolen i Ollerup na Dinamarca.

Fui aluno da FEF - Unicamp, graduando-me em 2019. Toda a minha trajetória na universidade foi acompanhada pelas extensões de Ginástica. No começo do meu percurso, em 2014, quando entrei na faculdade, participei como aluno em alguns projetos e logo me interessei em aprender mais, o que me ajudou diretamente e continuamente na minha formação como profissional, como professor e como pessoa. Participei das extensões de Ginástica: Crescendo com a ginástica (de 07 a 09 anos), Crescendo com a Ginástica (de 10 a 16 anos), Ginástica de Trampolim, Ginástica em/com aparelhos para adultos, GGFEF, Ginástica Acrobática e também fiz parte do Grupo Ginástico da Unicamp (GGU). Estas extensões são coordenadas e orientadas pelos professores doutores Marco Bortoleto e Laurita Schiavon. Essas participações me deram muitas oportunidades de aprender e de me capacitar, e hoje essas formações me direcionam e me influenciam diretamente nas minhas decisões como professor. Lembro que tínhamos reuniões semanais para discutir e planejar as aulas, e o fato de experienciar e discutir diferentes pedagogias e inúmeras possibilidades de ensino-aprendizagem é muito importante para a formação do aluno, quando estudante da faculdade, preparando esse aluno para a sua atuação como professor. Além disso, os projetos também me proporcionaram a oportunidade de fazer viagens internacionais que expandiram o meu conhecimento sobre a Ginástica e também me proporcionaram conhecer pessoas que cultuam e manifestam a Ginástica de maneiras diferentes. Hoje trabalho como professor interno da Gymnastikhøjskolen i Ollerup na Dinamarca e vejo que ter passado pelas extensões foi um diferencial na minha formação e sou muito grato e me sinto privilegiado de ter tido a oportunidade de estudar, praticar e aprender Ginástica nesses projetos.

________________

GABRIELA DONATTI

Gaduada pela FEF, ex monitora dos projetos de extensão em Pilates. Atualmente proprietária de um Estúdio de Pilates.

Participar dos projetos de extensão de Pilates e Dança da FEF-UNICAMP foram essenciais para a minha formação e início da atuação profissional. Com eles pude ter a experiência de lidar com diferentes públicos e me desenvolver como professora. Iniciei como colaboradora do Balé clássico e das danças urbanas, experiências extremamente importantes para meu início profissional e posteriormente entrei como monitora do projeto de Pilates onde fiquei por 2 anos e meio. Por ter tido a vivência de trabalhar com grandes grupos nas aulas de Pilates solo, rapidamente comecei a empreender criando grupos de Pilates solo ao ar livre em minha cidade. Hoje tenho meu estúdio de Pilates e sou muito grata por toda a experiência vivida nos projetos de extensão.

________________

ANITA BARREIRO

Gaduada pela FEF, ex monitora dos projetos de extensão em Pilates. Atualmente proprietária de um Estúdio de Pilates.

Participei de 2017 à 2019. As extensões da FEF foram uma enorme porta de entrada para muitas oportunidades. Poder dar aulas distintas para várias pessoas me encanta. E costumo dizer que se você consegue dar aulas nas extensões, consegue dar aulas em quaisquer outros lugares. Conheci as extensões durante minha graduação na FEF. Um grande amigo meu me convenceu a frequentar as aulas de Pilates solo (tinha tido contato quando era bem mais nova) para que, se eu gostasse, pudesse assumir turmas posteriormente. E assim fiz. Me encantei pela área e pude fazer cursos relacionados. Tive a honra de inaugurar a primeira turma de Pilates Intermediário. Além disso, atualmente trabalho em um Estúdio de Pilates cujo a dona é graduada na FEF e também começou sua trajetória nas extensões!  Além do Pilates eu também pude atuar nas extensões de ballet clássico intermediário. Sempre atuei na área, sou bailarina clássica formada, mas as extensões me deram um novo ponto de vista para a área. Uma das minhas satisfações era ver a felicidade dos meus alunos ao se apresentarem no Festival da FEF e ver o quanto eles evoluíram. Sou eternamente grata às extensões, pois me ajudaram a ser quem sou hoje e a me formar como profissional!

________________

BRUNA LEMOS

Gaduada pela FEF, ex monitora dos projetos de extensão em Pilates. Atualmente proprietária de um Estúdio de Pilates em Paulínia-SP.

O projeto de extensão da FEF me proporcionou conhecer o verdadeiro método Pilates. Eu aprendi a dar aula, corrigir os alunos e estar atenta aos detalhes durante meu período na extensão que durou dois anos. Através do projeto, eu pude conhecer uma das melhores profissionais do País e me aperfeiçoei com um curso completo de Pilates. Logo que me formei, em 2015 montei um Estudio de Pilates solo na minha casa e, dois anos depois, em 2017, inaugurei meu Estudio de Pilates completo em Paulínia, no qual estou até hoje. Sou muito grata ao Prof. Odilon por ter me proporcionado a oportunidade de atuar como professora do projeto de extensão da FEF, pois foi a partir disso que comecei a atuar na área do Pilates e estou muito satisfeita e realizada com a minha profissão.

________________

Mônica Rehder Bonon

Graduada na FEF-UNICAMP em 2008 e atualmente Educadora de Atividades Físicas no Sesc Campinas.

 

Iniciei meus estudos na FEF em 2004 e desde esse momento busquei viver todas as possibilidades que a Universidade poderia me proporcionar, incluindo a Extensão. Na Faculdade de Educação Física pude conhecer e fazer parte da extensão universitária, como aluna, como colaboradora e como monitora. Cada forma de participar me trouxe conhecimento ao longo do processo. Como colaboradora pude ter meu primeiro contato ministrando aulas para crianças, no projeto de Ginástica Rítmica, que posteriormente se tornou Ginástica para crianças. Como monitora do GGFEF (Grupo de Ginástica da Faculdade de Educação Física), pude ter a experiência que têm os professores, colocando em prática o planejamento de aulas, ministrando-as e também coordenando um grupo de ginástica, mesmo que por um semestre, experiência riquíssima, que me oportunizou colocar em prática os conhecimentos teóricos aprendidos ao longo da graduação, sendo sempre supervisionada por um docente responsável. Em especial gostaria de relatar minha experiência como integrante do Grupo Ginástico Unicamp, que é um projeto de extensão e que tem um linda trajetória de mais de 30 anos de trabalho e de divulgação da modalidade de Ginástica para todos. Foram 10 anos da minha vida dedicados a esse grupo, conhecendo essa metodologia, fazendo parte deste trabalho. Tive a oportunidade de participar também de seminários acadêmicos, como: “A semana da Educação Física”; “O primeiro Seminário de Yoga”; além dos eventos como os Festivais de Ginástica da faculdade de Educação Física. Todos eventos que contribuíram muito para minha formação. Atualmente exerço o cargo de Educadora de Atividades Físicas no Sesc Campinas, e vejo no dia-dia do meu trabalho o quanto a extensão universitária contribuiu para minha formação. Gostaria de expressar aqui tamanha gratidão que sinto por esta Faculdade que me proporcionou tantas experiências extra sala de aula. A extensão universitária além de ser um laboratório para aqueles que estão se graduando, permite que toda comunidade local seja presenteada com o conteúdo produzido na universidade, é a grande ponte entre a academia e a população, sendo assim um dos três pilares da Universidade: ensino, pesquisa e extensão.

________________